publicado em 10/09/2014 às 15h29
e atualizado em 10/09/2014 às 15h33

Adultos infantilizados e desacompanhados

Matriculados, incorporados, pertencentes ao mundo dos adultos, as “crianças grandes” exigem o direito de serem trados como os adultos. Querem respeito.

Gilson Aguiar - contato@gilsonaguiar.com.br
Adulto Infantil

Adulto Infantil

Quando as crianças não crescem
Entra com a mãe na sala de aula, senta-se, mas não consegue ficar quieta. A criança se movimenta, atravessa o ambiente, fala alto, atrapalha. Porém, este fato é uma exceção, uma criança em um ambiente de adultos.

Mas se o tempo passar e o corpo da criança crescer sem que ela tenha que madurecer, o que aconteceria? Teríamos que tolerar a criança adulta, ou adulta criança? A primeira situação, de certo. As crianças não amadurecem e adultos imaturos existem. Eles estão se proliferando nos ambientes e já não vem mais acompanhado de um responsável. Exigem respeito.

Matriculados, incorporados, pertencentes ao mundo dos adultos, as “crianças grandes” exigem o direito de serem trados como os adultos. Querem respeito. No tratamento dos benefícios eles empunham a luta pelo reconhecimento de sua maturidade. Contudo, são incapazes de cumprir a responsabilidade pelo título que reivindicam. 

Há, por todos os lados, uma permissividade. Ampliar os consumidores de produtos e serviços é deixar que os “adultos infantilizados” invadam os lugares onde a maturidade deveria ser pré-requisito. Ampliam-se assim os que estão “habilitados” para adquirirem bens e serviços. Rompe-se a lógica da função do que é oferecido no mercado e a sua aquisição. Bebia alcoólicas, automóveis, ingresso no ensino superior, freqüência em boates, bares, motéis, enfim, tudo o que antes requeria a maturidade está abolido.

Para se garantir a aparente coerência, se preserva a idade, mas não se consolida a maturidade. As duas, idade e capacidade de responder aos atos estão desassociadas. Assim, nada impede os adultos infantilizados de freqüentarem ambientes que exijam responsabilidade. Desacompanhados e com um corpo agigantado, os irresponsáveis dentem destruir o que funciona. Este já é o terrorismo contemporâneo, outra história. 

  

 
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS