Não há inocentes na crise que estamos atravessando. E o principal erro começa no ano passado. A vitória do governado Beto Richa para a reeleição foi fundada em uma fantasia de prosperidade que o governo não tinha como sustentar na prática.
Uma conversa com Cleide Fermentão sobre a instituição que está no centro de questões polêmicas na atualidade. Para uns uma resposta aos nossos problemas, para outros a motivadora de muitos deles.
Mas quem conseguiria construir uma condição tal de controle dos relacionamentos que não estivesse sujeito aos imprevistos? Eles acontecem e trazem consigo seus efeitos.
Luiz Fachin foi fundador do PSDB, amigo de Covas e aliado do PT. Professor de Direito, ele dá uma aula de que o poder tem brechas e se tem dentro destas lacunas a possibilidade de ser um elemento importante na cadeia de relações e acordos que parecem dividir radicalmente os representantes públicos e a política.
Porém, e além, este país é fruto do encontro, das multiplicas miscigenações. Da mistura do caldo humano, com diz Darcy Ribeiro, que formou um povo único, espalhado e diversificado, mas unido no território constituído pela contínua administração autoritária do estado opressor.
Se há uma injustiça na distribuição de recursos e as cidades de pequeno porte veem o dinheiro do Fundo de Participação das cidades minguarem, reduzem, em média, 3% a 4% ao ano, a emancipação de municípios de pequeno porte foi um erro ao longo dos últimos 50 anos.
Governabilidade implica em responsabilidade com o que se herda e onde se deseja chegar. A continuidade existe muito mais nos problemas que nas soluções, infelizmente.
O bem e o mal não tem identidade própria ou se traduz em indivíduos. O bem e o mal tem contexto, um sentido, atende e depende de quem os promove.
O desgaste político do Partido dos Trabalhadores foi colocado à prova ontem, à noite, às 20h30. Em rede nacional a propaganda do PT criticou a terceirização e falou da expulsão dos envolvidos em escândalos.
Governo corta quase 50% dos financiamentos novos do FIES. A medida é de contenção de gastos, cortando o que menos devia, a Educação.
Os principais problemas sociais não se resolvem com queda de gestores públicos, mas colocando fim nas práticas que os sustentam. Este é um desafio que poucos desejam, infelizmente.
Hoje, no Dia do Trabalho, é importante entender o que significa o trabalho na construção do ser humano e da sociedade. Para muitos, ele se desconectou das coisas que consumimos. Porém, quase tudo é fruto do trabalho.
A educação nunca foi prioridade do poder público, é apenas uma retórica. Quando vamos aprender que existe uma casta política eleita democraticamente. Escolhidos pelo voto, possivelmente de muitos professores que sofreram a agressão do mesmo poder que legitimaram.
A eficiência do tráfico está na sua distribuição internacional. A rede que compra e venda se alastra na proporção em que encontra facilidade de se transportar, se instalar e conseguir adeptos, seja como vendedores ou consumidores. O tráfico é um negócio, infelizmente, bem sucedido.
Governo do Estado vence a luta contra os professores na aprovação da reforma do Paraná Previdência. Mas ela pode ter um sabor de derrota se o governador não souber administrar os desdobramentos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS